Como mulheres podem se defender da violência

Prevenção

Os índices de criminalidade no Brasil são um assunto preocupante. Porém, existem alguns grupos sociais mais vulneráveis à violência do que outros. Um dos principais alvos dos criminosos é a mulher e, neste caso, as vítimas são de todas classes sociais, todas idades e estão em todos os locais.

Por isso, Cristiane Brasil apresentou uma cartilha de autoproteção para que as mulheres possam se proteger, com mais eficiência, das diferentes faces da violência.

“Ser mulher é ter que conviver, em algum momento da vida, com algum tipo de violência ou de assédio”, diz Cristiane Brasil, deputada federal e pré-candidata à reeleição.

“Se por um lado precisamos trabalhar por medidas preventivas e repressivas, não podemos esquecer que mulheres continuam sendo vítimas da truculência dos crimes. Portanto, o trabalho de prevenção também passa pela autoproteção da mulher. A intenção do documento abaixo é, justamente, essa: fazer com que mais mulheres saibam reagir à cada tipo de situação”

Compartilhe a cartilha abaixo para que um número cada vez maior de mulheres saiba como lidar em cada situação de violência, sempre tentando preservar a sua integridade física e moral.

Equipe Cristiane Brasil

Cartilha: Dicas para a segurança da mulher

INTRODUÇÃO

Os problemas de segurança pública que assolam nosso país afetam toda a sociedade – mas é inegável que alguns grupos sociais estão mais sujeitos à violência: um deles, dos preferenciais no foco dos criminosos, é a mulher – de todas classes sociais, todas idades e em todos os locais.

Compartilhando a mesma indignação de muitas e muitos, que não entendem o fato de em pleno século XXI seja preciso alterar hábitos e se privar de certas práticas em nome da autoproteção, apresentamos a você a presente cartilha.

Nosso objetivo é fazer com que as mulheres tenham consciência das situações mais comuns de risco a sua segurança, bem como de maneiras simples de evitá-las.

São medidas básicas reunidas aqui e coletadas a partir de dicas e constatações de profissionais de segurança pública de diversos pontos do país, com experiências diversas no trato com a criminalidade.

Leia a presente cartilha com atenção, sabendo que antes de transformar a realidade precisamos de informações e estratégias para melhor lidarmos com ela.

Boa leitura!

Normas gerais de segurança

  1. Antecipar possíveis situações de risco, com atenção mas sem paranóia: a forma mais eficaz de estar seguro é com medidas preventivas.
  2. Atenção sempre que for às ruas: a distração é amiga dos delinquentes.
  3. Converse com as pessoas do seu entorno: todos que utilizam um ambiente ou exercem nele atividade são corresponsáveis pela sua segurança.
  4. Não confie na memória, principalmente no que diz respeito a procedimentos de segurança. Se não tem certeza, cheque pessoalmente (trancamento de portas e janelas, do carro, ligação de alarmes e outros).
  5. Nunca reaja quando for abordada. Entregue o que for pedido para que o meliante vá embora logo.
  6. Caso seja vítima de violência, sempre acione a Polícia Militar pelo fone 190. Além de iniciar uma investigação, a notificação permite às autoridades ter uma noção mais clara da ação de grupos e das áreas onde deve intensificar o policiamento.

Para estar segura…

  • Em casa
  1. Chave sempre a mão: lembre-se sempre de trancar portas e janelas quando for sair e manter as portas fechadas e trancadas quando estiver em casa, mesmo de dia.
  2. Se sua casa tem janelas muito perto da porta, evite deixar a chave na fechadura. Um delinqüente pode alcançá-la colocando o braço para dentro da janela.
  3. Ao residir sozinha, procure manter contato regular com vizinhos em quem tenha confiança. Uma rede de ajuda e de proteção recíproca é muito importante.
  4. Só abra a porta se tiver certeza de quem bate. É importante que a porta que dá para a rua tenha visibilidade para que quem chega possa ser verificado visualmente antes de entrar portões a dentro.
  5. Nunca aceite serviços que não tenha pedido, ainda que sejam de graça.
  6. Jamais guarde grandes quantidades de dinheiro em casa.
  7. O momento de entrar ou sair de casa é o de maior risco. Mantenha atenção constante. Distrações neste momento facilitam a vida dos delinquentes.
  8. Na sua agenda de telefones, especialmente no celular, evite colocar indicações como: pai, filho, filha, neto, sobrinho. Coloque de preferência um apelido para o caso de o celular cair na mão dos bandidos.
  9. Na medida do possível, mantenha uma extensão do telefone no seu quarto ou um celular a mão: é para o caso de sua residência ser invadida e precisar chamar o 190.
  10. Viagens ou ausências prolongadas demandam estratégias especiais: é importante dar a impressão de que alguém permanece em casa no período: evite deixar luzes externas acesas, contate vizinhos ou amigos para recolherem a correspondência e jornais durante a sua ausência.
  11. Cães reforçam a segurança, desde que não sejam muito bravos, o que pode gerar acidentes com familiares, vizinhos ou empregados eventuais.
  12. Chave escondida no jardim de casa: jamais. Embaixo do capacho ou dentro de um vaso, por exemplo, são os primeiros locais em que os delinqüentes procurariam.

3 Para quem mora em condomínio

  1. a) Identifique as pessoas que não moram no condomínio no momento que estiver entrando com elas. Isso facilita o trabalho dos funcionários da portaria.
  2. b) Preste atenção no momento de entrar e sair na garagem para não permitir a aproximação de estranhos ou mesmo acesso furtivo para o interior do condomínio, enquanto o portão se fecha.
  3. c) Ainda que haja uma boa segurança no seu condomínio, nunca confie totalmente nela e sempre verifique quem bate à sua porta antes de abri-la. Instale um “olho mágico” em sua porta se não houver outra forma de ver quem bate.

4 Nas ruas

  1. a) Lembre-se que os delinquentes muitas vezes escolhem suas vítimas pelos bens que elas carregam. Evite portar joias ou bens de valor quando sair só especialmente.
  2. b) A própria bolsa provoca a cobiça dos ladrões. Evite marcas reconhecidas como de maior valor nas ruas. Tenha para essas ocasiões uma mais simples. A “de marca”, fica para ocasiões especiais.
  3. d) Procure sempre andar acompanhada quando levar bens de valor, como no dia de ir ao banco ou às compras.

 

5 No carro

  1. Coloque seus pertences em lugares mais seguros: no porta-luvas se couber, embaixo do painel, sob suas pernas enquanto sentada ao volante. Objetos de valor como bolsas, carteira, celular, não devem estar à vista, pois isso atrai a atenção do delinquente.
  2. Sempre esteja atenta ao que acontece ao seu redor.
  3. Use os espelhos retrovisores também para ver o que acontece na parte de trás do veículo: criminosos costumam se aproximar por trás para abordar suas vítimas.
  4. Mantenha os vidros fechados principalmente ao parar em semáforos. Reduza o tempo de permanência parada no semáforo, diminuindo a velocidade do seu veículo quando ainda está distante do cruzamento e percebe que o sinal vai fechar.
  5. Se for abordada por um delinquente que lhe mandar descer do carro em que está, saia imediatamente passando entre ele e a lateral do carro e não entre ele e a porta que estará aberta. Há mais segurança quando feito dessa forma.
  6. Não tente enganar o ladrão entregando, por exemplo, uma bolsa falsa. Se ele perceber que foi enganado quando você ainda estiver ao alcance dele poderá colocar em risco a sua integridade.
  7. Estacionar seu carro num estacionamento fechado é muito mais seguro que deixá-lo na rua. Ao sair do carro, remova a frente do equipamento de som para não chamar a atenção.
  8. Transportando crianças: se houver uma criança pequena no banco de trás, pegue-a por entre os bancos da frente enquanto ainda está dentro do carro e saia com ela nos braços. Jamais tente sair primeiro e pegá-la pela porta de trás. Isso gera uma oportunidade para os delinquentes.

6 Nas compras

As roupas e acessórios que você escolhe comprar também interferem na sua segurança. Ao adquirir esses produtos, veja uma série de dicas para levar em consideração na hora de comprar:

  1. Roupas: bolsos são amigos da segurança (quanto mais bolsos, mais segurança para os seus bens). Bolsos em lugares menos acessíveis protegerão melhor seus pertences – na parte da frente do corpo, na parte interna de jaquetas e paletós e nas pernas (como nas roupas estilo militar) são os melhores.
  2. Veja também se os bolsos são largos e profundos o suficiente para comportar sua carteira ou bens de valor que você use com frequência, como celulares e aparelhos eletrônicos similares.
  3. Calças sem bolso obrigam quem as usa a levar na mão objetos como carteiras, celulares e outros.
  4. Bolsas: opte por aquelas que possuam um compartimento mais protegido para carteira e objetos de valor. Bolsas com detalhes que reforcem a parede externa dela (pequenos bolsos externos, abas e sobreabas, tecido duplo, costuras de reforço) ou com tecido reforçado (couro duplo, por exemplo) dificultam cortes e furtos de bens guardados no seu interior.
  5. Bolsas com alças longas que podem ser colocadas a tiracolo oferecem uma certa vantagem, pois são mais difíceis de serem arrebatadas. Neste caso deixe a bolsa sempre à frente do corpo, ainda que atrapalhe um pouco o movimento.
  6. Bolsas sem fecho atraem o interesse de delinquentes, pois um fecho, ainda que simples, sempre é um obstáculo a mais para quem quer tomar o que é seu.
  7. Mochilas: em locais com aglomeração de pessoas, coloque-as à frente do corpo.
  8. Evite abrir bolsas ou carteiras em locais de aglomeração de pessoas. Pontos de ônibus, por exemplo.
  9. Se isso for inevitável, procure ser a mais discreta possível nos seus gestos. No supermercado jamais deixe sua bolsa no carrinho enquanto faz compras.

7 No restaurante ou lanchonete

  1. Lembre de colocar sua bolsa em local de segurança, de preferência à sua vista permanentemente. Jamais deixe bolsas ou carteiras sobre o balcão ou mesa.
  2. Ficar com as costas para a parede pode dificultar a aproximação de delinquentes aos bens que você leva: sua bolsa, sacola com compras e outros, enquanto você faz sua refeição, bem como lhe dá uma melhor visão do que ocorre à sua volta.
  3. Tome cuidado quando alguém lhe procura dizendo para tirar seu carro de onde está estacionado, pois pode ser uma tentativa de roubo. Ao sair, você poderá ser abordada por delinquentes que arrebatarão seu veículo.
  4. Se alguém lhe pedir para ir ao estacionamento evite fazê-lo ou peça que mais alguém a acompanhe.

8 No banco

  1. Evite ir ao banco. Faça todas as transações que puderem ser feitas pela internet.
  2. Nunca peça ajuda a estranhos, nem aceite quando se oferecem para ajudar.
  3. Se tiver dificuldades com o caixa automático, peça auxílio a um funcionário do banco que sempre estará identificado.
  4. Evite carregar consigo quantidades maiores de dinheiro, principalmente ao sair do banco.
  5. Quando precisar retirar dinheiro no banco, procure estar acompanhada. Ao sacar dinheiro nos caixas automáticos, oculte suas ações o máximo possível.
  6. Nunca entregue seu cartão magnético na mão de pessoas estranhas que se ofereçam para ajudar.

9 No trabalho (fora do lar)

  1. Na medida do possível, não tome para si tarefas que você sente ter dificuldades em resolver sozinha. Por exemplo: abrir e fechar uma loja, levar somas maiores de dinheiro ao banco.
  2. Se sua função for a de lidar com dinheiro e estiver em contato com o público, como caixa de uma loja, por exemplo, é importante que trabalhe em um local onde não fique em isolamento total, pois essa situação a colocaria em risco.

10 No transporte coletivo

  1. Sempre que possível, não abra a carteira no ponto de ônibus. Separe antes o dinheiro necessário para a passagem e deixe-o em um lugar de fácil acesso, como bolso da calça ou compartimento lateral da bolsa.
  2. Dentro do coletivo, fiq ue próxima ao cobrador ou ao motorista durante a maior parte do trajeto.
  3. Na estação rodoviária, ao aguardar o embarque, procure sentar em local que permita acomodar suas malas e pertences próximos a você. Sempre traga sua bolsa à frente do corpo.
  4. Se, enquanto sentada, tiver que colocar sacolas no chão, cuide para que nenhuma delas seja puxada por baixo do banco.
  5. Se não houver lugar para sentar, procure ficar de costas para uma parede e junto a ela.
  6. Mantenha controle permanente sobre crianças e jamais permita que vão sozinhas ao banheiro ou se afastem de você sob qualquer pretexto.

11 Em aeroportos

  1. “Check-ins” antecipados (via internet) ou feitos com mais tempo também ajudam a ter mais segurança.
  2. Procure despachar sua bagagem assim que puder, verificando antes as condições de trancamento delas.
  3. Procure deixar para utilizar equipamentos (laptops, palmtop e outros) quando já estiver na área restrita do aeroporto para passageiros.
  4. Evite levar objetos de valor como laptops, por exemplo, em pastas que mostrem que ali vai um equipamento desta natureza.
  5. Como regra geral, evite chegar muito próximo ao horário do vôo. Pessoas atrasadas tendem a ser mais distraídas, esquecem objetos importantes e são vítimas preferenciais, pois percebem menos o que acontece ao seu entorno.
  6. Ao chegar a um lugar novo ou de rever pessoas queridas, leve em conta a distração. Neste momento, é normal que os delinqüentes aproveitem a oportunidade para furtar pertences.

12 Levando e trazendo os filhos para a escola

  1. Evite parar em fila dupla para apanhar seus filhos. Isso os coloca em risco por obrigá-los a se deslocarem em meio ao trânsito para embarcar.
  2. Defina com a escola quais são as pessoas autorizadas a apanhar seus filhos e que se restrinja a elas esse trabalho. Crianças que sempre são buscadas por pessoas diferentes, deixam a segurança da escola confusa.
  3. Nunca desautorize o trabalho das pessoas encarregadas da segurança escolar, criticando-as na presença dos seus filhos ou orientando-as de forma diferente.

Golpes mais frequentes contra a mulher

Falso seqüestro

Como acontece:

Alguém liga dizendo que tem uma pessoa da família como refém exigindo dinheiro (que seja depositado em uma conta bancária) ou a compra de cartões de celular pré-pago, para que essa pessoa não seja morta, dando o nome dela, características físicas ou citando o local onde ela trabalha ou estuda.

O que fazer:

  1. Não atenda a essas exigências.
  2. Tome cuidado para, ao atender os golpistas no telefone, não dar a eles ainda mais informações sobre a pessoa alegadamente seqüestrada.
  3. Tente fazer contato com a pessoa que o bandido diz ter sido sequestrada ou peça à família ou amigos para fazerem isso.
  4. Comunique à polícia prontamente, ainda que o criminoso exija que não o faça.

 

Falsos prestadores de serviço

Como acontece:

Uma pessoa se apresenta dizendo ser de uma empresa prestadora de serviços de luz, água, telefone ou outra, e que está fazendo vistorias ou serviços gratuitos. Os falsos argumentos mais comuns são de que a vistoria reduz riscos à rede, pode reduzir a conta e assim por diante.

O que fazer:

  1. Nunca aceite serviços que não pediu, ainda que sejam gratuitos.
  2. Se tiver interesse em tal serviço, procure uma empresa ou profissional abalizado, em quem possa confiar. Lembre que bons profissionais não costumam bater de porta em porta e sim são procurados pela qualidade do seu trabalho.
  3. Empresas de prestação de serviços vêm quando são solicitadas, ou então apresentam-se uniformizadas e com veículos caracterizados, o que facilita o seu reconhecimento, e a cobrança pelo serviço virá na conta que você paga ao final do mês.
  4. No caso de golpes usando o fornecimento de gás como pretexto, o delinquente costuma tentar assustar a vítima falando em risco de explosões e incêndios, em função de vazamentos que poderiam estar ocorrendo.
  5. Na medida do possível, dispense o serviço da pessoa que se oferece e ligue para uma empresa de gás com base na lista telefônica ou alguma que conheça.

Propostas de trabalho no exterior

Como acontece:

Mulheres jovens e de boa aparência recebem propostas para trabalhar no exterior como modelos ou profissão de destaque. Chegando ao destino, são escravizadas em trabalhos de exploração sexual, mediante violência ou grave ameaça.

O que fazer:

  1. Sempre tenha cuidado com propostas de trabalho no exterior.
  2. Procure obter mais informações sobre onde e com quem trabalhará, por outros meios que não apenas os do contratante (conhecidos que tenha no país de destino, internet, Embaixada Brasileira no país de destino).
  3. Evite assumir compromissos ou aceitar tais propostas antes de ter todas as informações necessárias.
  4. Jamais assine documentos sem ler todo o seu conteúdo e ter certeza de ter entendido a respeito do que se trata.
  5. Estabeleça um sistema de contato frequente com parentes ou amigos aqui no Brasil, para sua maior segurança e para que se comunique à polícia uma demora prolongada.
  6. Deixe com parentes ou amigos todas as informações disponíveis para o caso de você perder contato com eles como: nome do contratante no país de destino, empresa em que trabalhará, nome e endereço da pessoa ou empresa de contato aqui no Brasil, atividade que exerceria, números telefônicos e endereços que lhe foram dados durante as negociações e outras.

Sequestros de crianças ou adolescentes subtraídos da mãe

Como acontece

São várias as possibilidades, mas as mais comuns são o uso de soníferos para subtrair a criança (não aceite alimentos e bebidas de estranhos), e durante os procedimentos pós-parto, na rede hospitalar. Uma pessoa simula ser enfermeira ou médica e retira o bebê (principalmente recém-nascidos) dos braços da mãe, a pretexto de levá-lo para o berçário ou para cuidados de higiene e desaparece com o ele.

O que fazer

  1. A presença do pai, parentes e amigos são fundamentais no parto e na convalescença, para reforçar a segurança.
  2. Cobre da administração do hospital a segurança que você e o bebê precisam e merecem, pois é responsabilidade do estabelecimento hospitalar provê-la.
  3. Permanecer com o bebê junto a você, salvo casos de risco à saúde dele, são um direito seu e reforçam a proteção de que ele precisa.
  4. Colabore com a segurança hospitalar, respeitando dias, horários e número de pessoas que lhe visitam.

CONCLUSÃO

Embora seja função e dever do Estado prover a segurança a toda a sociedade e que haja quem enxergue as medidas de proteção como inibitórias da liberdade pessoal e, portanto, uma espécie de retrocesso no convívio social, nunca é demais considerar que a redução da exposição ao risco é uma prática bem-vinda e que pode poupar vidas e dissabores.

No caso das mulheres, de todas as idades, especialmente expostas à violência por questões físicas, sociais e culturais, é ainda mais importante levar a cabo esse conjunto de regras simples e que podem garantir sua integridade. A maior parte das instruções contidas nessa cartilha caminham no sentido de evitar distrações no espaço público – mas sem fazer com que a vida em comunidade se torne um fardo insuportável. A partir do momento em que práticas mais seguras são introduzidas na vida cotidiana e se incorporam à rotina, a sensação de segurança e bem-estar compensam a readequação de práticas.

Cuide de você mesma, cuide dos que dependem de você e passe a mensagem desta cartilha a todos que você ama!